Boaventura de Sousa Santos

                       PT | EN
 

CV e Nota Biogr√°fica

Nota biográfica
Boaventura de Sousa Santos nasceu em Coimbra, a 15 de Novembro de 1940. É Doutorado em Sociologia do Direito pela Universidade de Yale (1973) e Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e Distinguished Legal Scholar da Universidade de Wisconsin-Madison. Foi também Global Legal Scholar da Universidade de Warwick e Professor Visitante do Birkbeck College da Universidade de Londres.

É Director Emérito do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e Coordenador Científico do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa.

De 2011 a 2016, dirigiu o projecto de investigação ALICE - Espelhos estranhos, lições imprevistas: definindo para a Europa um novo modo de partilhar as experiências o mundo, um projeto financiado pelo Conselho Europeu de Investigação (ERC), um dos mais prestigiados e competitivos financiamentos internacionais para a investigação científica de excelência em espaço europeu.

Tem escrito e publicado extensivamente nas áreas de sociologia do direito, sociologia política, epistemologia, estudos pós-coloniais, e sobre os temas dos movimentos sociais, globalização, democracia participativa, reforma do Estado, direitos humanos, com trabalho de campo realizado em Portugal, Brasil, Colômbia, Moçambique, Angola, Cabo Verde, Bolívia e Equador. Os seus trabalhos encontram-se traduzidos em espanhol, inglês, italiano, francês, alemão, chinês, romeno e dinamarquês.

É também poeta. A escrita de poesia foi sempre acompanhando o trabalho do académico e intelectual público, tendo-se estreado em Antologia de poesia universitária (Portugália, 1962). Publicou de seguida O rosto quotidiano (Almedina, 1966), Têmpera (Centelha, 1980), Madison e outros lugares (Afrontamento, 1989), Viagem ao centro da pele (Afrontamento, 1995), Escrita INKZ – Anti-manifesto para uma arte incapaz (Aeroplano, 2004; Confraria do Vento, 2019 - 2ª edição), Janela presa no andaime (Scriptum, 2009), Rap global (Aeroplano, 2010; Confraria do Vento, 2019 - 2ª edição; Edições Apuro, 2021), Falta de ar em plena estação (Escrituras, 2012), Pomada em pó. Poemas epigramáticos (Lugar da Palavra Editora, 2013), 139 Epigramas para Sentimentalizar Pedras (Confraria do Vento, 2015; Poética, 2021), Crônicas de Acabária (Confraria do Vento, 2017), Manifesto Antipteridófitas (Confraria do Vento, 2017), Pitaia e açaí. Poemas de amor e várias canções talvez desesperadas (Confraria do Vento, 2021).


Curriculum Vitae